Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

uso externo

uso externo

17
Jul17

Novamente, as alterações climáticas

Ricardo Jorge Pereira

Retomo o assunto alterações climáticas.

É ponto assente que as mudanças climáticas vieram para ficar.

Já se viu o que podem fazer e, explicam-nos, trarão, no futuro, enormes dificuldades à população da Terra por causa do aumento da temperatura da água dos oceanos (e a consequente subida do nível da mesma porque o gelo alojado nos Pólos Sul e Norte continuará a derreter) e da ocorrência, mais frequente, de fenómenos meteorológicos extremos como a seca (a tal ausência prolongada de precipitação) que se manifestarão, por exemplo, na erosão dos solos, no maior risco de incêndios e numa maior pressão humana sobre recursos naturais finitos como a água potável.

Abordarei, no entanto, nas linhas que se seguem, uma constatação cientificamente documentada e dois exemplos que enunciam, em minha opinião, ‘pistas’ e, claro, ‘estratégias’ a seguir para, no contexto de “luta” contra as alterações climáticas, a espécie humana, no seu todo, aproveitar a oportunidade para mudar de vida.

A constatação: o aumento demográfico.

Viviam no planeta Terra, há uma década, cerca de 6750 milhões de pessoas.

Por outro lado, o relatório World Population Prospects. The 2017 Revision, compilado pela Organização das Nações Unidas, refere que a Terra dá, hoje, abrigo a 7550 milhões de pessoas. E perspectiva que existirão, em 2050, mais de 9770 milhões seres humanos.

O primeiro exemplo: a pecuária.

Segundo o documentário Cowspiracy (que está, por exemplo, disponível na plataforma YouTube), a esmagadora maioria das reservas de água que, no mundo, poderiam servir para o consumo humano são consumidas, precisamente, pela actividade pecuária.

Ou seja, é a criação de animais (em particular, os de origem bovina) para fornecer carne e outros alimentos para o consumo humano que “absorve” a maior parte da água disponível e não a satisfação de necessidades das próprias pessoas.

O segundo exemplo: a pluviosidade e a subida da água do mar e dos rios.

O artigo “The Dutch Have Solutions to Rising Seas. The World Is Watching.” que o jornal norte-americano The New York Times publicou em meados de Junho deste ano destacou um conjunto de metodologias postas já em prática por dirigentes políticos, comunitários e pelos próprios habitantes da cidade holandesa de Roterdão – e, algumas, que foram, entretanto, delineadas – no sentido de “viver com a água” e não “de a contrariar”, por assim dizer.

Foram, deste modo, construídos reservatórios para contenção da água em caso de inundações ou, até, de precipitação.

E, também, fontes, jardins e campos desportivos em zonas da cidade menos favorecidas, económica e socialmente, para retenção da mesma.

Assim, a cidade reinventou-se, tornou-se mais verde e conseguiu, até, criar e desenvolver novos projectos de criação de empregos.

De facto, a pergunta sobre se a espécie humana entenderá as alterações climáticas como obstáculos à sua permanência na Terra ou, ao invés, como geradora de oportunidades para mudar de vida faz, quanto a mim, todo o sentido.

E tem mesmo, considero-o, que abraçar essa mudança se não quiser que lhe aconteça o mesmo que causou – e que está a causar – a inúmeras espécies da fauna (e, por extensão, da flora) do planeta: a extinção...1

O tempo está a esgotar-se e, por isso, a mudança de mentalidade(s) exige-se.

 

 

1 O estudo que a publicação científica Proceedings of the National Academy of Sciences divulgou, há poucos dias – Biological annihilation via the ongoing sixth mass extinction signaled by vertebrate population losses and declines – demonstrou, efectivamente, que estava em curso uma nova extinção em massa de espécies animais no planeta. Um dos factores apontados como estando na sua origem foi, precisamente, a sobrepopulação humana.

Ora, há muitos anos que me venho colocando uma pergunta: não serão as viagens científicas a outros planetas do sistema solar (como a Marte, por exemplo) feitas, “em última análise”, com um objectivo que é o de analisar se existem – ou se poderão vir a ser criadas – condições para que, sendo necessário (se se verificasse, por exemplo, caos militar, social e económico generalizado no planeta Terra), algumas centenas ou milhares de pessoas (possuidoras de determinadas “características” financeiras, evidentemente...) pudessem ir viver para esses planetas como os colonos de outrora?

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Favoritos

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D