Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

uso externo

uso externo

12
Jun18

Mosteiro dos Jerónimos, Lisboa

Ricardo Jorge Pereira

«CLAUSTRO

 

Local aprazível, de meditação e recreio para os monges.

Projectado e iniciado por Diogo de Boitaca, continuado por João de Castilho a partir de 1517 e concluído por Diogo de Torralva entre 1540 e 1541.

Duplo piso abobadado e planta quadrangular de cantos cortados. Pelo seu valor e simbologia, é um dos momentos mais significativos do estilo Manuelino. Original conjugação de símbolos religiosos (instrumentos da Paixão de Cristo, entre outros), régios (cruz da Ordem Militar de Cristo, esfera armilar, escudos e emblemas régios) e naturalistas (cordas e motivos vegetalistas que coabitam com um imaginário, ainda medieval, de animais fantásticos).».

 

É ao Mosteiro dos Jerónimos que se referem tais frases.

De facto, o inicialmente designado Mosteiro da Ordem de São Jerónimo começou a ser edificado, em Belém, no início do século XVI depois da autorização papal concedida ao rei D. Manuel I.

Ocupando o espaço de uma antiga ermida, a construção do mosteiro prolongou-se pelos reinados seguintes (os de D. João III e de D. Sebastião, sobretudo).

Foi, por esta razão, que somente em 1522 se tenha procedido ao fecho da abóboda do cruzeiro: esta intervenção marcou, contudo, o fim das obras já que se assinalará em 2022 o meio milénio da existência do Mosteiro dos Jerónimos.

Recordo que o Mosteiro dos Jerónimos foi, juntamente com a Torre de Belém, incluído, em 1983, na lista de património da Humanidade pela UNESCO.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D