Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

uso externo

uso externo

20
Out17

Privacidade: ainda existe?

Ricardo Jorge Pereira

Um amigo disse-me, há dias, que considerava que o facto de os médicos de família designarem os utentes que aguardavam nas respectivas salas de espera dos centros de saúde a sua vez de serem consultados pelo seu nome completo (ou pelo nome ‘primeiro’ e o apelido) uma enorme quebra na privacidade de cada cidadão já que a transmissão de tais dados através de uma espécie de sistema interno de som poderia permitir a devassa digital da sua personalidade.

Confesso que nunca tinha reparado – nem pensado – neste aspecto mas pensei que faria algum sentido, por assim dizer, a preocupação deste amigo.

Fiz e faço, no entanto, a seguinte pergunta: qual é o ‘grau’ de privacidade que cada uma/um já tem quando, por exemplo, tem que preencher um simples impresso/formulário para subscrever um qualquer serviço (ou para interagir com o Estado) contendo o seu nome, o número de identificação fiscal (o número de contribuinte) e o do cartão de cidadão1?

 

 

1 A questão que coloquei no título deste texto – “Privacidade: ainda existe?” – fará ainda mais sentido de existir se se ler, como eu li, o artigo que o jornal de Hong Kong South China Morning Post publicou, online, há alguns dias atrás: “China to build giant facial recognition database to identify any citizen within seconds”. De facto, tal sistema de identificação a ser implementado na República Popular da China permitiria garantir, «com um grau de confiança de 90%», controlar a população.

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D